Por outro lado, a imagem do plano de fundo foi feita pela Curiosity Mars Science Laboratory em 08 de setembro de 2012 no 33º dia após o pouso na superfície de Marte observando-se o solo marciano como jamais foi visto. E também não é bobagem...
Image credit: NASA/JPL-Caltech/MSSS.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Tecnologia revolucionando a medicina e a igreja

No início deste mês foram divulgados três lançamentos inéditos revolucionando o arsenal da tecnologia da medicina e da igreja. O Technion - Israel Institute of Technology, informou o desenvolvimento de uma bíblia escrita em hebraico dentro de um chip de silício de 0,5 mm. Segundo os desenvolvedores, a elaboração da peça tem a missão de incentivar a nanotecnologia e os estudos científicos entre os jovens, objetivo este que parece já ter sido alcançado.
A leitura necessita obrigatoriamente de um microscópio “escaneador” de elétrons, desenvolvido especialmente por um grupo de cientistas israelenses, do Instituto de Nanotecnologia do Technion, para o Papa Bento XVI.
Divulgação/Technion-Israel Institute of Technology

Do tamanho da ponta de um alfinete, a "nanobíblia" foi entregue no dia 11 de maio, quando o pontífice esteve na Terra Santa.
As 308.428 palavras do Velho Testamento foram inscritas por meio de um dispositivo chamado Focused Ion Beam (‘feixe de íon centrado’). Se a “caneta” já é tecnológica, o “papel” desenvolvido não poderia ser menos sofisticado: as letras foram escritas em uma camada básica de silício coberta por uma camada de ouro. A idéia é que a menor bíblia eletrônica do mundo, antes de ir para a mão do Papa, deve ser fotografada para ser exibida nas paredes do Instituto de Física da Universidade de Israel, em um painel de 7x7 metros, possibilitando a leitura do conteúdo a olho nu.


Em seguida a Washington University in Saint Louis, MO desenvolveu smartphones de terceira geração numa plataforma que está unindo computação e medicina, criando um dispositivo portátil que permite a realização de exames médicos à distância.Os Profs. William Richard e David Zar, da Universidade de Washington (EUA), já haviam tornado as sondas de ultrassom USB compatíveis com smartphones que rodam o sistema operacional Windows no ano passado, usando financiamento feito pela Microsoft. "Você carrega consigo uma sonda e um telefone celular e faz as imagens em tempo real,". "Imagine ter essa tecnologia em ambulâncias e salas de emergência", diz o Dr. Richard.

Imagem: David Kilper/WUSTL

A tecnologia poderá ser usada também no terceiro mundo, onde é pequeno o acesso à tecnologia de imagens médicas, ao contrário das torres de celulares, que já chegaram na maior parte dos lugares, e também nos campos de batalha.
"A medicina do século 21 é definida como imageamento médico. Contudo, 70% da população mundial ainda não têm acesso a essa tecnologia. É difícil levar um equipamento de ressonância magnética ou um scanner de tomografia computadorizada para uma comunidade rural, que não tem nem mesmo energia elétrica," diz Mr. Zar.
Segundo ele, sua visão sobre o futuro do novo sistema inclui o treinamento de pessoas em áreas remotas do mundo em desenvolvimento com os conceitos básicos de coleta de dados com os telefones e o seu envio para uma unidade centralizada para um local, em qualquer parte do mundo, onde os especialistas possam analisar as imagens e fazer um diagnóstico.Com o sistema operacional Windows um aparelho de ultrassom médico portátil, conectado via USB, as imagens são mostradas diretamente na tela do smartphone. e todos os circuitos eletrônicos especializados ocupam uma placa de apenas 2.5 x 7.5 cm.
Um equipamento de ultrassom típico custa ao redor de US$30.000. Os pesquisadores afirmam que as sondas de ultra som USB já estão disponíveis por volta de US$2.000,00, mas deverão chegar a US$500,00 rapidamente.
O aparelho tem ainda transdutores externos, endocavitários e vasculares. Entre suas aplicações está o uso em países de terceiro mundo que têm acesso à telefonia celular, mas não aos caros aparelhos de ultrassom, e também nos campos de batalha.


Finalmente a NASA , na Estação Espacial Internacional, desde 2008 vem testado junto com o Jet Propulsion Laboratory (JPL) um “farejador eletrônico” conhecido como ENose, que monitora a qualidade do ar dentro dos ônibus espaciais. O ENose é o mais eficiente recurso para identificar contaminadores em veículos espaciais, dentro de um intervalo de um para aproximadamente 10 mil partes por milhão, de acordo com a NASA.

Image credit: NASA/JPL

Sua eficácia na função está sendo qualitativa, segundo seus fabricantes. Mas, o que a NASA não sabia é que sua tecnologia pode também ajudar no tratamento de câncer cerebral. O ENose, também é capaz de detectar diferenças de odor entre células normais e cancerígenas, segundo neurocirurgiões da City Of Hope Câncer Center.
O ENose, inclusive, já está sendo usado por cientistas que estudam o mapeamento do cérebro da Brain Mapping Foundation (BMP), em parceria com estudiosos de medicina do Jet Propulsion Laboratory (JPL), que já tem vários estudos em andamento e publicados, abrangendo inclusive de forma séria e convicta em pelo menos sete atividades da nossa vida cotidiana.
O grupo investiga o papel dos odores da célula no tráfego celular, na migração de células estaminais, na metástase do câncer cerebral e também o potencial do dispositivo eletrônico para ser usado como ferramenta de imagiologia intra-operatória, segundo informações do Science Daily.

2 comentários:

Andrea Pio disse...

Olá.
Ultimamente tenho me perguntado... não sei se comemoro tanta evolução, ou se simplesmente... devo temê-la.
Temo perdermos a rédea do que realmente importa. Muita tecnologia sendo empregada, e problemas básicos longe de serem resolvidos, sem necessidade de tanta tecnologia.
Enfim... continuarei neste dilema.

Ótimo blog. Parabéns.

Leonardo Diamante disse...

Olá Andrea,
Obrigado pela visita.
Os seus temores são também os meus.
Estou me convencendo de que o médico de hoje está deixando de ser o médico que um dia conhecemos para ser um "operador de máquinas". Se voce der uma olhada na Imagen da semana que postei hoje (http://ldiamante.blogspot.com/2009/05/imagem-da-semana_27.html)
verá que é a tradução fotográfica das nossas preocupações.
Abraço
Leonardo