Por outro lado, a imagem do plano de fundo foi feita pela Curiosity Mars Science Laboratory em 08 de setembro de 2012 no 33º dia após o pouso na superfície de Marte observando-se o solo marciano como jamais foi visto. E também não é bobagem...
Image credit: NASA/JPL-Caltech/MSSS.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Café: verdades, mitos e crendices

Um estudo publicado no The American Journal of Cardiology associa o consumo de café a um menor risco de morte por doença cardíaca coronariana e menores chances de desenvolver doença cardíaca valvar.
De acordo com os pesquisadores, os resultados se alinham com um recente estudo epidemiológico que sugere forte efeito protetor da bebida em idosos sem hipertensão.
Os resultados indicaram que o consumo de café reduziu em 43% os riscos de morte por doença cardíaca coronariana. E, segundo os pesquisadores, essa redução nos riscos parecia ser causada pela relação inversa entre o consumo de cafeína e o desenvolvimento ou progressão de doença cardíaca valvar.
É sempre importante lembrar, porém, que o consumo de café em excesso é associado diversos problemas, como os gastrointestinais. E alguns estudos indicam que o excesso pode ter o efeito contrário ao apresentado pela pesquisa, podendo aumentar a pressão e, conseqüentemente, o risco cardíaco.
O café não é remédio, mas a comunidade médica-científica já considera a planta como funcional (previne doenças mantendo a saúde) ou mesmo nutracêutica (nutricional e farmacêutico). Isso porque o café não possui apenas cafeína, mas também potássio, zinco, ferro, magnésio e diversos outros minerais, embora em pequenas quantidades. O grão do café também possui aminoácidos, proteínas, lipídeos, além de açúcares e polissacarídeos. Mas, o principal segredo: possui uma enorme quantidade de polifenóis antioxidantes, chamados ácidos clorogênicos. Durante a torra do café, esses ácidos clorogênicos formam novos compostos bioativos: os quinídeos. É nessa etapa também que as proteínas, aminoácidos, lipídeos e açúcares formam os quase mil compostos voláteis responsáveis pelo aroma característico do café. É toda essa composição que faz do café uma bebida natural e saudável.
Esta é a opinião do Prof. Dr. Darcy Roberto Lima Ph.D em Medicina pela Universidade de Londres, médico, escritor e professor do Instituto de Neurologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Diretor Associado de Pesquisas, ICS, Vanderbilt University, TN, USA, dedica-se a pesquisar os efeitos do café na saúde humana há mais de 20 anos.
A Associação Brasileira da Indústria do Café também fornece informações e artigos bastante interessantes sobre o café.
O instituto do Coração de São Paulo também criou a Unidade Café e Coração do InCor do HC FMUSP sob a responsabilidade do Prof. Dr. Luis Machado Cesar, que também vale a pena dar uma olhada.
De qualquer forma após a leitura destes artigos e tantos outros disponíveis vamos chegar à conclusão que o café, se tomado de forma moderada é um alimento precioso e contribui para um bom estado de saúde.
Em tempos de sustentabilidade, conservação do planeta, aquecimento global, etc. gostaria de deixar para reflexão, recente artigo veiculado pela imprensa leiga, que dá conta que uma empresa de Taiwan conseguiu transformar o resto do pó de café, que nos chamamos de "borra"e fica depositado no filtro, em tecidos e portanto em roupas.
A novidade é da Singtex Industrial Co e pode ser vista clicando aqui e chama-se S.Cafe.
A fórmula para produção era pesquisada há, pelo menos, quatro anos, por três cientistas e pelo diretor geral do grupo, Jansen Chen, que teve a idéia de fazer o tecido enquanto fazia uma "pausa para o café".
Chen afirmou em coletiva de imprensa que uma xícara de café pode ser transformada em duas camisetas.
Patenteado em Taiwan, Estados Unidos, Japão e China, o S.Café teria ainda outras vantagens, além de ser ecologicamente correto, ele secaria mais rápido, ofereceria proteção contra raios UV e controle de odores, de acordo com a nota do fabricante.
Mensalmente, a Singtex coleta cerca e 300 a 400 quilos de pó usado de café da rede Starbucks para transformá-los em tecido.
Não é o primeiro material inusitado usado pela empresa. A Singtex fabrica roupas a partir de garrafas pet e coco.
Tecnologia pura do século XXI, e o assunto pode gerar Controvérsias, Dúvidas, mas seguramente não é Bobagem.

Um comentário:

LuPileggi disse...

Fico feliz com a notícia. Gosto de café, mas sempre tomo com um pesinho na consciencia achando que me faria mal...
Valeu!
Beijos. Lu Pileggi