Por outro lado, a imagem do plano de fundo foi feita pela Curiosity Mars Science Laboratory em 08 de setembro de 2012 no 33º dia após o pouso na superfície de Marte observando-se o solo marciano como jamais foi visto. E também não é bobagem...
Image credit: NASA/JPL-Caltech/MSSS.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Ômega 3, 6 e 9: verdades mitos e crendices

Uma equipe de cientistas, liderados pelo Prof Nicolas Guillot da Universidade de Lyon, na França, conseguiram determinar a dose de DHA - Ácido Doco Hexaenóico (DHA) mais conhecido como ômega-3, que é necessária para prevenir as doenças cardiovasculares em adultos saudáveis.
Os cientistas comprovaram que uma dose diária de 200 mg de DHA é suficiente para afetar os marcadores biológicos que assinalam problemas cardiovasculares, como os relacionados com o envelhecimento, a aterosclerose e o diabetes.
A pesquisa foi publicada no exemplar de Setembro na revista médica The FASEB Journal (The Journal of the Federation of American Societies for Experimental Biology Journal).
Para determinar a dose ótima do ácido docohexaenóico a ser ingerido diariamente, o Dr. Michel Lagarde, da equipe do Dr. Guillot e seus colegas analisaram os efeitos da ingestão de doses crescentes de DHA em voluntários com idades entre 53 e 65 anos.
Os voluntários consumiram doses de DHA de 200, 400, 800 e 1600 mg por dia durante duas semanas, em semanas separadas para cada dose. As dietas foram controladas para que o DHA ingerido fosse a única fonte de ômega-3 dos participantes.
Foram coletadas amostras de urina e sangue antes e depois de cada período - equivalente à ingestão de cada dosagem e depois de oito semanas depois que a suplementação de DHA foi interrompida. Os pesquisadores então analisaram todas as amostras em busca dos marcadores que indicam os efeitos de cada dose.
Os resultados mostraram que a dose de 200 mg é suficiente para ativar todos os marcadores, e não foram notados ganhos com as doses maiores.
Desta forma, como já sabemos a quantidade exata de DHA que é suficiente, o próximo passo é fazer um teste clínico que envolva um número maior de voluntários, e o Dr. Gerald Weissmann recomenda que até lá, é melhor ficar com uma dieta que contenha ômega-3, como peixes por exemplo, em vez de correr para buscar um frasco de suplementos na farmácia.
Peixes como sardinha, truta e bacalhau também contém grande quantidade de omega3 devendo ser considerado na alimentação. Na verdade todos os peixes de águas frias são possuidores de grande quantidade de Omega 3 e é exatamente por causa disto, da temperatura da água que os peixes dos países nórdicos tem mais Omega 3 do que aqueles provindos do Chile, oceano pacífico, que é o peixe que nós comemos no nosso dia a dia.
A semente de linhaça que é uma oleaginosa, além de proteínas e fibras dietéticas é rica em gorduras e contém Omega 3 em quantidades estimadas como sendo o dobro do contido nos peixes.
Aos poucos a linhaça começa a integrar a nossa alimentação sob a forma de pequenos grãos e de farinha podendo ser encontrada em supermercados com bastante facilidade.
Diferentemente do ômega 3, é um produto já conhecido, consagrado e bastante estudado em vários lugares do mundo, o Ômega 6 são ácidos graxos polinsaturados fundamentais para o bom funcionamento do organismo das pessoas. O Ômega 6, assim como o Ômega 3, faz parte das conhecidas gorduras boas. Não são produzidas pelo organismo e, portanto, devem ser adquiridas através da ingestão de determinados alimentos.
Estudos iniciais e nem todos com a credibilidade científica desejada, dão conta de benefícios para a saúde, como proteção contra a hipertensão, combate o excesso de colesterol ruim e talvez o excesso de glicose.
Pesquisas recentes do the Gladstone Institute of Neurological Disease, na Califórnia, observaram que o ômega 6 pode destruir células cerebrais e provocar o Mal de Alzheimer.
A pesquisa realizada com ratos mostrou que a alimentação rica em Ômega 6, dadas a estes animais, danificou neurônios e prejudicou a memória. As pesquisas continuam para que estes resultados possam ser comprovados em seres humanos. A linhaça dourada é também uma das principais Fontes de Ômega 6.
Com relação ao ômega 9, tudo que temos até hoje são estudos incipientes, sem nenhum estudo científico relevante do ponto de vista geral, sendo que estudos de atividades mais específicas do ômega 9 podem ser encontrados, como por exemplo sua participação da síntese de alguns hormônios.
Ômega 9 são ácidos graxos, que participam no desenvolvimento humano, assim como os ácidos graxos ômega 3 e ômega 6. O nome ômega 9 significa que eles têm uma ligação dupla C=C no nono carbono a partir da extremidade oposta à carboxila, e podem ser encontrados em óleos vegetais, sendo que os ácidos ômega 9 mais importantes são ácido oléico - com 18 carbonos, ácido erúcico - com 22 carbonos e ácido nervônico - com 24 carbonos.
O Homem ainda não aprendeu a se alimentar.

3 comentários:

Anunciação disse...

Não seria melhor a gente ser mais simples no comer?Pelo menos não se ficava refém dos aproveitadores de plantão.Pior é que eles têm o marketing e fica dificil convencer o paciente que o médico só quer o bem dele ensinando que a comida natural que ele compra na feira do bairro é mais barata e saudável do que os miojos,por exemplo,da vida.

Eliana Gerânio Honório. disse...

Muito bom...!

Moradas Montes Claros disse...

Bem, sei que temos poua informação sobre o ômega 9.. um pouco mais de informação pode ser lida aqui.. :

http://www.alimentacao-saudavel.com/veja-como-os-3-omegas-podem-mudar-a-sua-vida-2/